POR QUE A CRISE NA VENEZUELA PODE SER CULPA SUA?

A Venezuela vive a maior crise de sua história. O Brasil, assim como outros países vizinhos, tem recebido imigrantes aos montes.

As cidades fronteiriças enfrentam uma verdadeira crise migratória. São homens, mulheres, crianças, jovens, idosos… enfim, famílias inteiras fugindo da fome, miséria, condições degradantes de saúde e diversos outros problemas.

Recentemente, o canal BBC denunciou a venda e consumo de carne podre por parte dos venezuelanos. Sim, carne podre.

Ao ler “carne podre”, provavelmente, seu rosto ou ao menos sua mente fez uma expressão de nojo. É inadmissível até mesmo pensar em consumir alimentos estragados.

Mas é a realidade. Talvez não seja a sua, mas você pode fazer parte dela.

Quem sabe, neste momento, você diga que a culpa por toda essa situação é do governo venezuelano, mas leia com atenção este artigo. Ao final dele, posso te convencer ao contrário.

COMO TUDO COMEÇOU?

Nicolás Maduro

Líder Venezuelano

Tudo começou com uma transição governamental. Ou, não. Talvez tenha começado antes, com uma ideologia que, infelizmente, não trouxe grandes benefícios a população.

Quando, há 5 anos, Hugo Cháves se foi, com ele, foi também a “estabilidade” da Venezuela. Seu sucessor, Nicolás Maduro, apoiador do mesmo regime, tentou manter o chavismo vivo. Falhou.

Quer dizer, o Chavismo permanece na Venezuela. 

Os Venezuelanos é que estão saindo.

A filosofia adotada pelo país dá controle total ao governo. Ele controla os preços dos produtos vendidos no mercado, controla também o câmbio – ou seja, entrada e saída de moeda estrangeira – controla os valores pagos aos empregados e tenta garantir uma sociedade “igualitária”.

A base da economia no país era (ou ainda é), a venda de barris de petróleo. Nos “bons tempos”, um barril chegou a custar 150 dólares.

Porém, tais medidas de controle desestimularam o comércio, já que os empresários não estavam obtendo lucros e até mesmo acarretando prejuízos devido a falta de incentivo por parte do governo.

O controle do câmbio despertou interesses particulares de membros do governo e empresários, que viram nisso uma forma de ganhar dinheiro fácil. Ou seja, mais uma forma de corrupção.

E o petróleo agora custa, apenas, 50 dólares.

QUAL O RESULTADO DISSO?

Crise na Venezuela

Mercados vazios demostram a gravidade da situação.

Os mercados estão vazios. Quanto maior a procura e menor a proposta, mais altos os valores.

Não há abastecimento suficiente para que haja concorrência e assim, os preços sejam mais acessíveis.

Se o comércio e a indústria não se desenvolvem, também não abrem vagas de emprego. Logo, a população não tem trabalho e sem trabalho não tem dinheiro.

O governo emprega. Mas, paga mal.

Na verdade, a moeda venezuelana perdeu valor. O salário-mínimo é de 1.800 bolívares, o que equivale a 125 reais.

Com isso, famílias passam grandes dificuldades. Por isso, alguns compram carne podre. Eles sabem que está podre? Sim. Há outra opção? As vezes, não.

A carne apodrece por falta de armazenamento adequado, decorrente da queda constante da energia no país. Há relatos de falta de energia dez vezes por dia, o que estraga os produtos que precisam de refrigeração.

A saída para isso? Fugir.

E é isso que tem acontecido. Essa é a explicação para a crise citada no início do artigo.

AFINAL, O QUE EU TENHO A VER COM ISSO?

Boa pergunta.

Não que você (ou eu) tenha realmente algo a ver com isso. Mas, quero te levar a uma reflexão.

Um dia, no trem, indo ou voltando do trabalho (não lembro), estava lendo um livro. Ele falava sobre a glória de Deus e como deveríamos despender mais tempo contemplando.

Em determinado momento, não sei porque, o autor falou sobre a reação de Deus a algumas indagações da humanidade como “DEUS, PORQUE HÁ TANTA FOME NO MUNDO?”

Admita, você já fez essa pergunta.

Eu fiz. E sabe qual foi a resposta?

AMANDA, PORQUE HÁ TANTA FOME NO MUNDO?”

Percebeu que Ele me devolveu a pergunta? Sim, devolveu.

Neste momento, entendi que Ele nos deu condições de fazer um mundo melhor. Parar de pensar apenas no fugitivismo de “Um dia vamos morar no Céu, então não preciso me preocupar com a maldade da terra.”

O Pai nos deu – e permanece concedendo – poder para transformar o mundo. Transformar, principalmente, o meu mundo.

Nossa responsabilidade quanto a situação na Venezuela não é política, nem econômica. Não estou dizendo que você deve pegar tudo o que é seu, se mudar para lá e concorrer as eleições de 2024.

Estou dizendo que a mudança pode estar a um joelho no chão de distância.

Vivemos um Cristianismo egoísta, ultimamente. Você não acha?

Eu sei da dor do meu próximo. Mas não faço nada a respeito.

Isso dói, não dói?

CRISE NA VENEZUELA X CRISTIANISMO ATUAL

Foto da internet

Famílias com a geladeira vazia retratam o descaso.

Agora vamos falar de bíblia?

Em Lucas 10, no verso 13, o próprio Cristo foi “movido de íntima compaixão” pela dor de uma mãe. Em João 11.35, Ele chorou.

Jesus tinha (e tem!) poder para mudar qualquer situação. E isso não O fez um ser frio. Pelo contrário, Ele chorava, sentia a dor do próximo.

Esse sentimento vinha acompanhado de uma ação. Normalmente, um milagre.

Agora, eu pergunto: qual foi a última vez que você chorou pela dor de outros? Quando seu coração foi movido de íntima compaixão?

Somos, realmente, imitadores de Cristo? (1 Co 4.16;11.1 // Ef 5.1)

Se saber que um ser humano, criado por Deus, está se alimentando de carne podre, não faz seu coração doer. Reveja seu Cristianismo.

Se saber que uma mãe teme perder seu filho para a fome não faz seu coração doer. Por favor, reveja seu Cristianismo.

Mas, se até aqui, esse texto lhe fez se sentir constrangido, com vergonha de não fazer nada. Seja bem – vindo. Estamos revendo nosso Cristianismo.

FAZENDO ALGO NA PRÁTICA

Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros.

1 João 4.11

Não precisa vender tudo e dar aos venezuelanos (a menos que você queira). Não precisa deixar de se preocupar com as suas dores – porque elas existem – basta fazer com que esse constrangimento te leve à intima compaixão.

Aproveite esse sentimento – que eu espero que tenha surgido – para, por alguns minutos, render suplicas ao Senhor.

Ore por quem tem fome e está no Brasil. Ore por quem tem fome e está na Venezuela.

Hoje, quando for dobrar os seus joelhos, lembre – se do que você leu aqui. E, nem que seja por segundos, ore pelas nações.

Espero assim rever o nosso Cristianismo. E mudar.

Vejo você no próximo artigo.

Fique com Deus.

Amanda Lino

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.